interativo e flexível

 

A proposta para a nova sede do CAU/TO baseia-se em dois aspectos principais: interação com a cidade e flexibilidade física e infraestrutural.

 

Um edifício, independente do seu uso e do seu perfil institucional (público ou privado) pode oferecer a cidade espaços coletivos abertos para o convívio das pessoas. Nas metrópoles brasileiras, ainda são poucos os espaços privados que se abrem para a cidade, oferecendo espaços de convívio sem que seja preciso transpor barreiras de controle.

 

Para que a nova sede do CAU em Tocantins tivesse maior interação urbana, a faixa que se relaciona diretamente com o logradouro público (testada frontal) não foi totalmente ocupada com vagas de automóveis. Ao invés disso, optou-se por localizar as vagas de carro justapostas à testada leste, com uma faixa de circulação perpendicular. Assim, o estacionamento não terá “vagas presas”, fator que em muito colabora para a utilização dos usuários.

 

Com essa solução, praticamente um terço da faixa frontal do lote foi dedicada ao desenho de uma pequena praça coberta e totalmente aberta para a cidade; um local de permanência e transição. A faixa de implantação do edifício fica localizado na porção oeste do lote, deixando as principais aberturas dos pavimentos para o sol nascente.

 

O programa foi distribuído em três andares. O primeiro abriga o estacionamento, o hall principal e as áreas de serviços com acesso independente. No primeiro pavimento foram posicionadas o foyer, o auditório e a área coletiva de trabalho. Uma ampla varanda voltada para a cidade foi criada junto a área de trabalho, reforçando as relações edifício-cidade. No terceiro e último pavimento se encontram os escritórios e demais áreas operacionais.

 

O projeto prevê duas etapas de expansão, que permitirá mais que dobrar a área construída, não impedindo assim o aproveitamento total da Taxa de Ocupação do lote (3,5 vezes a área).

 

Sustentabilidade

 

Dois aspectos correspondem a sustentabilidade do empreendimento: sistemas ecoeficientes (reaproveitamento de água pluvial, proteção térmica dos ambientes internos e geração de energia solar por meio de placas fotovoltaicas) e a possibilidade de incremento de renda com o aluguel de lajes comerciais.

 

Parte da água de chuva seria reservada em cisterna inferior, localizada na área técnica do térreo. Posteriormente seria bombeada para a casa de máquinas superior, passando por filtragem grossa e cloração, antes de ser disponibilizada para reúso.

 

A geração de energia limpa seria por meio do sistema solar “Grid-Tie”, que gera energia, injetando o excedente diretamente na rede, e retomando durante a noite. Esse sistema dispensa baterias, tem menor custo de manutenção e é menos agressivo com o meio ambiente.

 

Para diminuir o consumo de ar-condicionado o projeto propôs, para os fechamentos verticais, a proteção de brises metálicos industrializados; para as coberturas, telhas metálicas com isolamento térmico e, sobre o primeiro pavimento, forração vegetal sobre telha.

 

áreas:

térreo: 568,63m²

1º pavimento: 421,11m²

2º pavimento: 219,68m²

cobertura: 74,10m²

 

total: 1.283,52m²

 

área permeável: 30,63m²

 

Ficha técnica

 

projeto: Sede do CAU-TO – concurso de projetos

local: Palmas – TO – Brasil

autor: Erick Vicente

data (projeto e obra): 11/2018

Categoria:
Data:
Voltar ao topo